terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Fardos, isso não é um título.

Era uma demência, simplesmente com gosto de ira e nicotina. Era um devaneio perdido e desolado, arranhado pelo consumo e curtição da raiva e da alegria que foram,ambas, remoidas e traspassadas pelas gotas de chuva que caiam do outro lado da janela de um pequeno e solitário prédio, assim como sua cadeia, na cidade grande; e nuvens cinzas, assim como seus pensamentos, tão comuns daquela vista tão acabada, e como acabada, esquecendo a angústia se ser somente só, isso que acabava, era isso que acabava.
Aquela música que possuia seu coração e o transbordava junto com a dupla que formava a dança e a alma, eram apenas expressões, assim como era só o batom vermelho ou o cabelo curto recoberto pelo gel ainda frio na sua cabeça e mente.
Aquele doce que desfazia vagarosamente seu fígado e seu paladar amargo e azedo como seu humor que também era desfeito pelo achar dos verbos viver e seus derivados.
Aquela noite vazia, seu estômago também, o silêncio que é vazio, por mais lotado que estivesse, o cabelo e a pele oleosa, medos que vinham a tona, sentimentos não sentidos apenas conscientizados.
A saudade;
A anciosidade;
O temor;
A ociosidade;
A cautela.
Efeito do álcool fazendo mal, a raiva fazendo mal, indagações significativas sobre a vida, pois a morte... é certa.
E quando tudo se torna um passado irreal, ainda sente a embriaguez que resta do sono pesado, que modifica e desacelera seus pensamentos, o sono justifica a vontade de dormir profundamente e literalmente, ou não.

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

newnow

Em fim, como tudo andava bem, Eu andava com sorrisos sinceros estampados no rosto, ele sorria pra mim e eu sentia que era algo verdadeiro da parte dele, e ainda é.
Hoje estou pra baixo literalmente, não conseguindo enxergar o amor de tantas outras pessoas que me rodeiam, inclusive ele, não estou confiando em ninguém, e meus problemas que não são problemas tornam-se insuportaveis, saturados ou curtidos, tornam-se sentimentos que assombram e que transformam tudo em nada, é exatamente isso, eu em pânico me encontro agora por não sentir nada por ninguém, nem mesmo minhas necessidades humanas estou conseguindo distinguir, e ficando com o tempo cada vez mais fria sinto o outro lado me puxando e me jogando contra a parede por sem sentimentos estar.
Isso não é uma opção, eu poderia me auto diagnosticar com algum distúrbio que tal me puxa pra um buraco (distinção: cova, toca, ruptura terrestre) de culpa, mesmo eu tendo a noção de que isso pode ser além da minha força física (distinção: psicológica).
Por motivos de votação (distinção: enquetes) eu percebi que REALMENTE sou inconveniente para muitas pessoas, e em fim não há mais fatores nem razões pra continuar aqui como minha avó e minha mãe dizem: Se não for ajudar não atrapalhe, enquanto isso meu pulso adquiri cicatrizes.


Algumas fotos da minha formatura.


Tio Léo, o melhor monitor e conselheiro apesar de ser o único

Ele, meu amor, Eu não posso ver nem sentir, mais tenho a pura certeza de que te amo.

Professor Jõao, história (que amo) e geografia (que odeio), nossos 'debates filosóficossss' estarão sempre guardados junto as lágrimas de emoção e consolação que você me trouxe, AFIRMATIVO TENENTE ? (: