quinta-feira, 30 de junho de 2011

O meu prazer,

Agora é risco de vida (8'

O que é rock pra você ?

Minha rocha, isso é meu rock, apoiada nisso tenho minha ideologia pra viver.

sábado, 11 de junho de 2011

Volta. Revolta volta.

Entre meses agente vê tudo que fizemos nos tais ultimo. MMesmo de computadores quebrados e falta de paciencia, e animo, não desisti do meu blog.

Emfim, vejo que fui menina inocente naquela época, tenho tantas visões agora. Desde que começei a seguir a wicca minha vida tem melhorado, um pouco. E dentre uma ou outra tentativa de suicidio aqui estou eu postando de novo.

Tenho recaidas, ainda é claro, elas são totalmente piores mais consegui o consolo da minha mente. Não me sinto culpada por mais nada que faço, e me governo sozinha. Não faço o que quero mais o que eu quero, agora, eu faço. E foda-se quem quiser se meter comigo. Estou fora da 'linha' que minha mãe julga ser o caminho certo. Mais não existe caminho, e quem é dono das possibilidades da vida é você mesmo.

Tenho uns colegas, eu acho, eles me tiram a concentração. Não digo concentração do lado 'seriedade' mais sim da inha concentração que é pressionada toda em cima da minha vida shadow.

A hora em que perceb o que a liberdade existe ali vejo minha porta e lunaticamente vou correndo pra ela sem pensar no que me prendia. Meu medo foi embora e o que resta agora é minha vida rainbow.

Esse blog, não é um qualquer, é justo pela minha parte shadow, então se é para ler leia tudo, não preciso de teu dó, preciso que leia os posts atentamente entendendo que tudo qe há de ruim em mim, transpassei para o blog. E agora em que estou na minha parte rainbow, vou continuar falando sobre minha 'péssima vida' pois a lua tem sempre um lado que está escuro, basta saber qual lado está virado para a claridade.

Na minha filosofia de vida o que vale, agora, é não ser regida por nenhum tipo de hierarquia ou seja, estou muito bem desgovernada. Que não significa que estou desolada.

Agora sim estou pronta pra viver, na minha rua cheia de escombros e serração pecaminosas. Afinal o pecado existe para poucos. Estou mais que liberta das correntes, sei que essas correntes são teias de aranhas, animais em que gosto e admiro muito. E foda-se também do que dizem de mim, vão dizer, mandar ou intimar, até, pois agora eu me seguro e nas horas em que eu achar que não da mais, lá vou eu... Sou salva pelos Deuses, sou salva por pouco. Na hora em que me vejo voltanto para a Mãe, algo me segura ou me atrasa não na vida mais na morte.

Estou obscura e profunda, muito profunda, minhas palavras são fortes e poeticas, coerentes de um certo modo, tenho muitas experiencias que me ajudam a conheçer esse mundo para que eu enfrente-o por mim mesma, se não quiser enfrenta-lo sei circundar-me do pó que resta de minha antiga pele, agora minha nova camada é feita de pimenta. Ardente.

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Fardos, isso não é um título.

Era uma demência, simplesmente com gosto de ira e nicotina. Era um devaneio perdido e desolado, arranhado pelo consumo e curtição da raiva e da alegria que foram,ambas, remoidas e traspassadas pelas gotas de chuva que caiam do outro lado da janela de um pequeno e solitário prédio, assim como sua cadeia, na cidade grande; e nuvens cinzas, assim como seus pensamentos, tão comuns daquela vista tão acabada, e como acabada, esquecendo a angústia se ser somente só, isso que acabava, era isso que acabava.
Aquela música que possuia seu coração e o transbordava junto com a dupla que formava a dança e a alma, eram apenas expressões, assim como era só o batom vermelho ou o cabelo curto recoberto pelo gel ainda frio na sua cabeça e mente.
Aquele doce que desfazia vagarosamente seu fígado e seu paladar amargo e azedo como seu humor que também era desfeito pelo achar dos verbos viver e seus derivados.
Aquela noite vazia, seu estômago também, o silêncio que é vazio, por mais lotado que estivesse, o cabelo e a pele oleosa, medos que vinham a tona, sentimentos não sentidos apenas conscientizados.
A saudade;
A anciosidade;
O temor;
A ociosidade;
A cautela.
Efeito do álcool fazendo mal, a raiva fazendo mal, indagações significativas sobre a vida, pois a morte... é certa.
E quando tudo se torna um passado irreal, ainda sente a embriaguez que resta do sono pesado, que modifica e desacelera seus pensamentos, o sono justifica a vontade de dormir profundamente e literalmente, ou não.

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

newnow

Em fim, como tudo andava bem, Eu andava com sorrisos sinceros estampados no rosto, ele sorria pra mim e eu sentia que era algo verdadeiro da parte dele, e ainda é.
Hoje estou pra baixo literalmente, não conseguindo enxergar o amor de tantas outras pessoas que me rodeiam, inclusive ele, não estou confiando em ninguém, e meus problemas que não são problemas tornam-se insuportaveis, saturados ou curtidos, tornam-se sentimentos que assombram e que transformam tudo em nada, é exatamente isso, eu em pânico me encontro agora por não sentir nada por ninguém, nem mesmo minhas necessidades humanas estou conseguindo distinguir, e ficando com o tempo cada vez mais fria sinto o outro lado me puxando e me jogando contra a parede por sem sentimentos estar.
Isso não é uma opção, eu poderia me auto diagnosticar com algum distúrbio que tal me puxa pra um buraco (distinção: cova, toca, ruptura terrestre) de culpa, mesmo eu tendo a noção de que isso pode ser além da minha força física (distinção: psicológica).
Por motivos de votação (distinção: enquetes) eu percebi que REALMENTE sou inconveniente para muitas pessoas, e em fim não há mais fatores nem razões pra continuar aqui como minha avó e minha mãe dizem: Se não for ajudar não atrapalhe, enquanto isso meu pulso adquiri cicatrizes.


Algumas fotos da minha formatura.


Tio Léo, o melhor monitor e conselheiro apesar de ser o único

Ele, meu amor, Eu não posso ver nem sentir, mais tenho a pura certeza de que te amo.

Professor Jõao, história (que amo) e geografia (que odeio), nossos 'debates filosóficossss' estarão sempre guardados junto as lágrimas de emoção e consolação que você me trouxe, AFIRMATIVO TENENTE ? (:


quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Dos dias.

Preocupações a mil, meu mundo perdido, desculpa Blog ter te trocado por poemas na madrugada, é que sabe como é... tanta coisa pra pensar, já estou lotada ! Tantos medos e fobia, tantas coisas inúteis, tanta tarefa, tão sozinha... já estou esgotada, cada pouco pra mim já é tamanho significado, preocupações a mil, preocupações a mil, preocupações... A mil. Vontade e imaginação é o que não falta pra escrever aqui, porém a fadiga é maior, assim me tornando mais inóspita e inoperante do que nunca, muito medo, muito, cautela me estressa, não sou assim, eu sou do tipo que pá, vai de uma vez sem dó nem piedade sem medo mais com consciência do perigo, estou mudando, do nada, não por opção, tenho que correr o tempo está passando rápido e eu aqui, quando faço nada o tempo vira num piscar, muito brusco mais quando se quer passo 3 minutos á esperar, isso me consome de uma maneira sem igual como se fossem 10 anos, o pouco já me enjoa, já me ocupa de mais, já é o fim da ladeira (8), é o fim da picada, é um corpo sozinho !
Não sei se escrevi o que pretendia, depois talvez poste mais, talvez eu nem entre, eu não sei mais... viver o presente é três vezes pior do que ir andando planejando o futuro, talvez porque você viva com mais intensidade não se preocupando tanto com o presente.

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Pra você guardei o amor. ♫

Pra você guardei o amor, sem querer, quando percebi que esse era o dilema fiquei estática, como se resolvesse eu ficar por ali, parada, sem piscar, só pensando nessa forma.

Ontem T. chegou aqui, me disse que ficou com saudades, e conversou com V., que lhe deu apoio para vir me ver. Fiquei muito surpresa, assim enrolamos um pouco até que T. quis visitar uma amiga do teatro, a mesma do post ante-anterior se me recordo bem, e fomos a casa dela tem duas quadras de distância da minha. Voltando pra cá depois de um longo tempo, pensava nos malefícios que nós poderíamos causar, a nós mesmos, não quis o beijar, e assim ele foi embora depois de alguns minutos. Creio que hoje ele não vem, não sei se ele me entendeu bem de mais ou não me entendeu exatamente. Quarta também não vou contar com ele, é dia em que ele encontra com a namorada. Me resta quinta no teatro, mas ele pode faltar... Preocupações a mil, tremendo muito mais a cada hora que passa. Espero que tudo dê certo !

Beijos.

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Triângulos.

Dois dias sem postar, muita coisa pra tc.
No mesmo dia do post anterior, eu e o T. chegamos primeiro no teatro e estávamos a sós desenhando, e assim foram chegando o elenco e a diretora. Eu estava com um forte pressentimento, nada demais só estava nervosa, e como havia passado um tempo com T. não parava de olhar para ele, parecia que ia acontecer algo com ele. Fomos embora tarde da noite, a mais de dez horas de um sábado, os meninos (T. e V.) foram comigo e gleysse até em casa, V. ficou no meio do caminho, mudou de direção e gleysse logo foi para a sua casa, logo percebi que T. estava meio cauteloso pra chegar perto de mim, conversamos até umas onze e meia, e ele com minha chave, eu querendo-a de volta, e ele querendo a bolsinha da chave que estava comigo, até que uma 'guerrinha' começou, e um beijo também. Resumindo saímos dali uma hora da manhã.
Domingo... A estréia da nossa peça, chegamos no local onde iríamos apresentar, eu estava nervosa, muito, inacreditávelmente nervosa, pois havia gostado do T., muito, até demais, difícil... me senti 3 vezes mais pressionada, nem liguei para a peça, não havia preocupação suficiente para cobrir a minha agonia. Pensei eu que iria ser 'ignorada' como se nada houvesse acontecido, mais foi um pouco melhor do que esperava. Pequenos detalhes me faziam estremecer por dentro e por fora, o medo de ficar iludida é tão grande quanto eu mesma.
Agora é só esperar quinta, nessa terça não haverá teatro, mais mesmo assim, sinto um certo tipo de dor, começo a perceber que estou ficando apaixonada, isso me tira da realidade, não sei como conversar, como saber melhor se esse é um malefício, e vou aproveitar pra colocar um trecho de um livro que vai descrever melhor... "O Tempo passa. Mesmo quando isso parece impossível. Mesmo quando cada batida do ponteiro dos segundos dói como o sangue pulsando sob um hematoma. Passa de modo inconstante, com guinadas estranhas e calmarias arrastadas, mas passa. Até pra mim."
E meu namorado, está esquecido e bloqueado, por um momento pelo menos!
E meu 'amante', está mexendo comigo a cada segundo*

Não me submeto a isso...