quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Dos dias.

Preocupações a mil, meu mundo perdido, desculpa Blog ter te trocado por poemas na madrugada, é que sabe como é... tanta coisa pra pensar, já estou lotada ! Tantos medos e fobia, tantas coisas inúteis, tanta tarefa, tão sozinha... já estou esgotada, cada pouco pra mim já é tamanho significado, preocupações a mil, preocupações a mil, preocupações... A mil. Vontade e imaginação é o que não falta pra escrever aqui, porém a fadiga é maior, assim me tornando mais inóspita e inoperante do que nunca, muito medo, muito, cautela me estressa, não sou assim, eu sou do tipo que pá, vai de uma vez sem dó nem piedade sem medo mais com consciência do perigo, estou mudando, do nada, não por opção, tenho que correr o tempo está passando rápido e eu aqui, quando faço nada o tempo vira num piscar, muito brusco mais quando se quer passo 3 minutos á esperar, isso me consome de uma maneira sem igual como se fossem 10 anos, o pouco já me enjoa, já me ocupa de mais, já é o fim da ladeira (8), é o fim da picada, é um corpo sozinho !
Não sei se escrevi o que pretendia, depois talvez poste mais, talvez eu nem entre, eu não sei mais... viver o presente é três vezes pior do que ir andando planejando o futuro, talvez porque você viva com mais intensidade não se preocupando tanto com o presente.

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Pra você guardei o amor. ♫

Pra você guardei o amor, sem querer, quando percebi que esse era o dilema fiquei estática, como se resolvesse eu ficar por ali, parada, sem piscar, só pensando nessa forma.

Ontem T. chegou aqui, me disse que ficou com saudades, e conversou com V., que lhe deu apoio para vir me ver. Fiquei muito surpresa, assim enrolamos um pouco até que T. quis visitar uma amiga do teatro, a mesma do post ante-anterior se me recordo bem, e fomos a casa dela tem duas quadras de distância da minha. Voltando pra cá depois de um longo tempo, pensava nos malefícios que nós poderíamos causar, a nós mesmos, não quis o beijar, e assim ele foi embora depois de alguns minutos. Creio que hoje ele não vem, não sei se ele me entendeu bem de mais ou não me entendeu exatamente. Quarta também não vou contar com ele, é dia em que ele encontra com a namorada. Me resta quinta no teatro, mas ele pode faltar... Preocupações a mil, tremendo muito mais a cada hora que passa. Espero que tudo dê certo !

Beijos.

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Triângulos.

Dois dias sem postar, muita coisa pra tc.
No mesmo dia do post anterior, eu e o T. chegamos primeiro no teatro e estávamos a sós desenhando, e assim foram chegando o elenco e a diretora. Eu estava com um forte pressentimento, nada demais só estava nervosa, e como havia passado um tempo com T. não parava de olhar para ele, parecia que ia acontecer algo com ele. Fomos embora tarde da noite, a mais de dez horas de um sábado, os meninos (T. e V.) foram comigo e gleysse até em casa, V. ficou no meio do caminho, mudou de direção e gleysse logo foi para a sua casa, logo percebi que T. estava meio cauteloso pra chegar perto de mim, conversamos até umas onze e meia, e ele com minha chave, eu querendo-a de volta, e ele querendo a bolsinha da chave que estava comigo, até que uma 'guerrinha' começou, e um beijo também. Resumindo saímos dali uma hora da manhã.
Domingo... A estréia da nossa peça, chegamos no local onde iríamos apresentar, eu estava nervosa, muito, inacreditávelmente nervosa, pois havia gostado do T., muito, até demais, difícil... me senti 3 vezes mais pressionada, nem liguei para a peça, não havia preocupação suficiente para cobrir a minha agonia. Pensei eu que iria ser 'ignorada' como se nada houvesse acontecido, mais foi um pouco melhor do que esperava. Pequenos detalhes me faziam estremecer por dentro e por fora, o medo de ficar iludida é tão grande quanto eu mesma.
Agora é só esperar quinta, nessa terça não haverá teatro, mais mesmo assim, sinto um certo tipo de dor, começo a perceber que estou ficando apaixonada, isso me tira da realidade, não sei como conversar, como saber melhor se esse é um malefício, e vou aproveitar pra colocar um trecho de um livro que vai descrever melhor... "O Tempo passa. Mesmo quando isso parece impossível. Mesmo quando cada batida do ponteiro dos segundos dói como o sangue pulsando sob um hematoma. Passa de modo inconstante, com guinadas estranhas e calmarias arrastadas, mas passa. Até pra mim."
E meu namorado, está esquecido e bloqueado, por um momento pelo menos!
E meu 'amante', está mexendo comigo a cada segundo*

Não me submeto a isso...

sábado, 6 de novembro de 2010

Ajudas.

Sabe, eu não me permito chorar, mais agora um par de lágrimas desceram pelo meu rosto, eu abaixo a cabeça, com raiva, com tristeza, com incompreensão, com medo, e com a certeza de que eu sou o nada. O tempo está correndo a pressão vai aumentando e eu não tenho ninguém do meu lado, absolutamente ninguém. Reprimo meu choro, que sobe pela garganta, aperta o nó e dói. Arranho fortemente meu pulso como o passado, a dor acaba, a tristeza também, me vejo livre e com um frenesi muito grande, meu pulso pulsa para eu continuar, meu corpo pareçe que adora tal ação, a música vai entrando dentro de mim, me gira, e me arrepia, eu quero um mundo, eu quero pessoas, eu preciso de apego, preciso de alguém aqui comigo, mais tudo e todos são artificiais demais, não posso entender, as pessoas são tão preocupadas, as pessoas amam, então por que no meio de tantas elas, ninguém me vê ? Quem se preocupa comigo ? Disso eu não sei, aposto que não tem. Vejo que meu pulso está com uma pontinha de sangue isso me alegra mais, e tenho que ir ao teatro, encontrar com o cara que pede minha ajuda pra não deixar sua namorada se suicidar, vejo que realmente não sou nada.
Beijos.

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Dificuldades atona.

Escrevo, escrevo e não consigo me expressar, é muito forte o que eu estou sentindo, pareçe que esse sentimento me rege, me domina e apesar dessa parte masoquista, é esquisito e aconchegante ao mesmo tempo.


Minha própria dor me consola,
Minha solidão me faz companhia,
A dor que sinto aqui dentro, é forte esquisita,
me faz com que eu medite, isso assola.
Giulia Melo

Onde está você agora ? ♫

Sabe, hoje foi um dia desgastante realmente, mais ao repousar, parar pra respirar, vi que com todas as coisas boas que aconteceram hoje, não valeram nada, estou totalmente só, isso está me prejudicando, bate aquele nó na garganta que é até difícil chorar. Sei que muitos entendem o que eu estou dizendo, aliás tc, mas essa dor, essa tristeza me inspira, eu gosto de ficar assim quietinha no meu canto, porém é duro encarar a realidade de frente, sabendo que eu não tenho amigos pra me ajudar, me acompanhar, na verdade eu não tenho amigos.
Pra falar a verdade, não tenho nem um pouco de vontade escrever, como disse clarisse lispector eu escrevo como se fosse salvar uma vida, a minha própria vida... Não sei se pretendo salvar minha vida. Não tenho mais imaginação pra escrever aqui, não por hoje, eu estou curtindo o desgosto dentro de mim, acho que não quero sofrer em hora errada.
Isso é frequente comigo, ficar triste, ter minhas recaídas, sem ao menos saber um motivo.
Parei de me preocupar, agora eu vou viver um segundo de cada vez, coisa que realmente não é fácil, acho que estou sobrecarregada demais, preciso de alguém aqui comigo, de um abraço, de um beijo de um colo.
A inveja me corroe. Posso ter tudo, ter todas ponte pra felicidade, mais ainda sim, não sou uma pessoa que tem cara de menina legal, que tem um belo corpo, que tem amigos, nem que seja apenas um, não sou... simplesmente não sou.
"Fala que me ama, mais é da boca pra fora" ♫

É muito difícil pra mim chorar, mais difícil ainda, é ver que existe um mundo feliz paras pessoas e que eu continuo aqui, sem nada e ninguém.

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Depois do sol, vem a tempestade.


Depois do sol, vem a tempestade. Isso está acontecendo comigo, só não espero ter uma recaída de novo, mais acho que as possibilidades são grandes. Como eu digo, a dor do meu corte é pra me sentir mais real. É dificílimo pra mim conseguir olhar para os lados, quando saio, vejo que sou uma menina que não vale, não me vejo valer pra ninguém, exatamente ninguém. Quando fico aqui nesse meu mundo eu sei que posso ser alguém, sei que posso conseguir muitas coisas, afinal de contas aqui eu consigo mostrar quem eu sou, qual é meu conteúdo, diferente de lá fora.Mas não adianta, eu não poso virar um HD do nada e minha mãe me instalar no computador... eu ainda tenho que olhar para as pessoas, e isso me machuca.

Tenho um namorado por internet, amigos e paqueras também, só que eu cansei, não quero mais isso, eu quero algo real, ao perceber que o real não está ao meu alcance tenho essas recaídas, não há quem possa reverter esse meu sentimento.

É uma tristeza muito comum, mas é tão repentina e intensa que acaba comigo, meu astral abaixa, e olho ao meu redor, só vejo pessoas melhores afins de se auto-superar, enquanto eu... a toda tímida não consegue se levantar quando nem se cai.
Como postei ontem o suicídio, pra mim, é uma forma totalmente egoísta, eu só não tenho esse consentimento, por ser uma. palavras não querem dizer sabedoria. Eu não encaro meu caso como suicídio... mas com o tempo as feridas foram se agravando. Masoquismo seria a palavra ? Bom não estou a procura de ajuda, só quero mais pessoas.

Quero voltar para São Paulo, não aguento mais ficar aqui, só me fez mal...




Sozinho, Caetano Veloso

Composição: Peninha


Às vezes no silêncio da noiteEu fico imaginando nós doisEu fico ali sonhando acordadoJuntando o antes, o agora e o depois

Por que você me deixa tão solto?
Por que você não cola em mim?
Tô me sentindo muito sozinho

Não sou nem quero ser o seu dono
É que um carinho às vezes cai bem
Eu tenho meus desejos e planos secretos
Só abro pra você mais ninguém

Por que você me esquece e some?
E se eu me interessar por alguém?
E se ela, de repente, me ganha?

Quando a gente gosta
É claro que a gente cuida
Fala que me ama
Só que é da boca pra fora

Ou você me engana
Ou não está madura
Onde está você agora?


Teatro.


Sou feita de teatro não por ser um espetáculo. Minha vida assim então, voa com o vento pra longe de algum sertão q ue possa desfazer do meu palco uma mera imitação, ilusão, falsidade, mentira, atuação...





(Teatro - O folclore da tia Anastácia)


Teatro.

Sou feita de teatro não por ser um espetáculo. Minha vida assim então, voa com o vento pra longe de algum sertão q ue possa desfazer do meu palco uma mera imitação, ilusão, falsidade, mentira, atuação...



segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Apresentação.

Todos me perguntam, aonde surgiu o 'LadyShadow' ? Vou responder sem mais demora...




Apresentando LadyShadow:
Apenas queria um pseudo nome para mim, como uma pessoa normal escolhe um apelido, como todos vão ler ou já leram, eu estava passando por um momento muito forte e marcante, assim oshadow (sombra em inglês) e lady (senhorita em inglês) assim formando senhorita sombra, ou senhorita das sombras... me identifiquei, não sendo muito comum, como eu, pensei que seria perfeito usar esse nome para uma identidade mais expressiva na internet e inclusive na vida real. É isso, já estamos apresentados ;D





Beijos ;*

Redes sociais, contatos

fotolog - http://www.fotolog.com.br/giushadow
msn - gih_ladyshadow@hotmail.com

Recomeçar, inovar, largar.

"Eu sempre fui dessas pessoas que nunca termina uma coisa e assim vai deixando-as pra trás inacabadas, eu diria que sou anciosa demais por isso não conseguir completar coisas que levam um longo tempo.
Hoje, assisti a um filme, muito bom... e ele me fez revigorar o fôlego pra ser um pouco mais criativa. Dessa vez. O filme falava sobre adolescentes, me senti filmada por um momento, me encontrei em várias situações que até me abalaram a um certo ponto, desde dificuldades na escola como por exemplo o bullying, separação de pais, até mesmo o suicídio. Vou falar um pouco mais sobre minhas experiências com alguns dos exemplos citados:

1º tópico- escola e bullying.
Por ser muito tímida, e fora do padrão sempre sofri desse mal, não é fácil me socializar principalmente na escola, uma escolha muitas vezes própria, que sem maldade alguma foi me fazendo mal. Rotulada pra sociedade um bicho de sete cabeças por não gostar de ter como companhias garotas, ser bissexual, e ser meio durona, sempre fui julgada por isso, e as pessoas não vêem que eu ainda sou mulher, por dentro uma garotinha.

2º tópico- separação de pais.
É uma coisa que pra mim foi indiferente, até hoje não sinto nenhum agravamento no meu cotidiano por não ter uma 'familia completa'... isso também acho que é um padrão social hipócrita e burocrático.

3º tópico - suicido.
Percebi a algum tempo que o suicídio é um sentimento demonstrativo de muito egoísmo e talvez egocentrismo pessoal. Eu ainda me 'tento' a voltar a cortar os pulsos, mais penso que ainda deve ter alguém que fique muito preocupado com esse fato, não sendo familia, acho que muitas vezes é mais fácil superar. Hoje é mais fácil aceitar a vida, porém a cada hora percebo que eu não posso suportar tal pressão da minha mãe como conseguir tirar boas notas, fazer um simples molde de aparelho, formatura, escola nova no segundo grau, estudar para fazer uma prova cuja irá decidir se vou para a escola ou não, etc. O mais difícil é ver que as pessoas que percebem isso em mim, apenas brigam para mim ter forças e não me ajudam a nada.

Estou em madrugada reformulando alguma coisa... O computador me ajuda, já que não tenho vizinhos, nem amigos para me distrair... minha vida e minha terapia está aqui nessa tela.

Logo vou decorar meu quarto, já que nessa noite quem me rege é o tédio.
Pretendo prosseguir e me organizar de agora em diante, oro a Deus pra isso, e se caso você achar que Ele não existe, espero que o universo conspire junto a mim."
Beijos ;*